Rádio

domingo, 6 de março de 2016

Relato de experiência de dimensionamento populacional para unidade básica de saúde com estratégia de saúde da família

RESUMO
O presente trabalho relata a vivência da contagem populacional da área de abrangência de um novo equipamento de saúde, com cinco equipes de estratégia de saúde da família, com o intuito de reconhecer e quantificar o território proporcionando um dimensionamento adequado da população e os profissionais da equipe da atenção básica, favorecendo um planejamento de assistência a saúde de qualidade.

PALAVRAS-CHAVE
área de abrangência, territorialização, dimensionamento

INTRODUÇÃO
A Estratégia Saúde da Família é composta por equipe multiprofissional que possui, no mínimo, médico generalista ou especialista em saúde da família, enfermeiro, auxiliar ou técnico de enfermagem e agentes comunitários de saúde (ACS), pode-se acrescentar a esta composição, os profissionais de saúde bucal cirurgiãodentista auxiliar e/ou técnico em Saúde Bucal. O número de ACS deve ser suficiente para cobrir 100% da população cadastrada, com um máximo de 750 pessoas por agente e de 12 ACS por equipe de Saúde da Família, não ultrapassando o limite máximo recomendado de pessoas por equipe. O Processo de territorialização é um dos pressupostos básicos do trabalho da ESF, essa tarefa adquire pelo menos três sentidos diferentes e complementares: de demarcação de limites das áreas de atuação dos serviços; de reconhecimento do ambiente, população e dinâmica social existente nessas áreas; e de estabelecimento de relações horizontais com outros serviços adjacentes e verticais como centros de referência, no planejamento, e em consonância com o princípio da equidade; na integralidade em todos os seus aspectos; nas relações de vínculo e responsabilização entre as equipes e a população adscrita, garantindo a continuidade das ações de saúde e a longitudinalidade do cuidado, na avaliação e acompanhamento sistemático dos resultados alcançados, nesse sentido, o uso do conceito de território pode contribuir para o planejamento e tomada de decisões na atuação diária dessas equipes. O território é um espaço, com suas singularidades, o reconhecimento desse território marcado por uma população específica vivendo em tempo e espaço singulares, deve ser compreendido por profissionais e gestores levando em consideração os problemas e necessidades de saúde determinantes.

OBJETIVO
Reconhecer e delimitar a área de abrangência de uma unidade básica de saúde com estratégia de saúde da família com cinco equipes de saúde.

METODOLOGIA
O trabalho foi idealizado a partir da necessidade de identificar e reconhecer o território de abrangência devido a criação de um novo equipamento de saúde, sendo uma unidade básica, com estratégia de saúde da família com capacidade de comportar cinco equipes de saúde. A população estimada no bairro onde está localizada a unidade básica de saúde segundo dados do IBGE de 2010 era de 22.904 pessoas, e a projeção para 2013 de 24.354. Os profissionais contratados para compor a equipe dessa unidade realizaram junto coma a região de saúde III, e a secretária de saúde com o departamento de articulação das redes de atenção a saúde, uma contagem da população da área da abrangência utilizando 29 setores censitários, visitas realizada por quadras e suas faces, identificando o número de moradores, a quantidade de casas atendidas, fechadas, vagas e em construção, salões, terrenos vazios e empresas. Assim, identificar o número de pessoas sus dependentes, reconhecendo também o perfil socioeconômico e epidemiológico do território. Após realizar o dimensionamento populacional entre as equipes de saúde, atentando-se para o cumprimento do que é estabelecido pelo ministério da saúde, de forma organizada e compartilhada com os membros da atenção básica.

RESULTADOS
A contagem populacional demostrou uma diferença entre o estimado pelo IBGE para 2013, encontramos um total de 27.932 pessoas no ano de 2014, considerando esse número apenas das casas atendidas em um total de 8.590 casas atendidas, enquanto, que o número de casas fechadas foi de 452, casas vagas 551, casas em construção 164, e de terrenos vazios 319, salões vagos 247 e de empresas 1.196. O resultado final do cadastramento dos usuários pela equipe de saúde ainda não pode ser analisado de forma profunda, pois ocorreu uma mudança de sistemas para realização do cadastro, antes era usado um sistema denominado SIAB (Sistema de Informação da Atenção Básica) que alcançamos um total de usuários cadastrados em torno de 17.000, porém podemos na época identificar que até o momento, o número de indivíduos vinculados estava em consonância com o preconizado pelo ministério da saúde, e o novo sistema de informação utilizado pelo ministério da saúde denominada Esus, ainda está ocorrendo o cadastro dos pacientes.

CONCLUSÃO
Concluímos que esse trabalho propiciou um reconhecimento adequado do território da unidade básica de saúde, possibilitando um planejamento eficiente nos dimensionamento populacional, favorecendo as tomadas de decisões da gestão em relação a otimizar a assistência a saúde, conforme preconizado pelo ministério da saúde.

REFERÊNCIAS
Machado, M.C.; Araújo, A.C.F.; Dantas, P.J.; Lima, A.O.M.; Lima, T.A.S.; Sarmento,C.L. Territorializaçãocomo Ferramenta para a Prática de Residentes em Saúde da Família: Um relato de experiência. Revista deEnfermagem -UFPE on line. 2012 Nov;6(11):2851-7. 
Silva, G.M. Estudo para conhecimento e delimitação da área de abrangência de uma equipe de saúde da famíliaassistido pelo geoprocessamento. UFMG,2002.Acesso em 19/12/2015: www.http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp

Nenhum comentário: